terça-feira, 13 de abril de 2010

O Bufo-real (Bubo bubo)



Bufo-real (Bubo bubo) pertence à Família Strigidae onde se incluem as aves de rapina nocturnas vulgarmente denominadas mochos e corujas. No entanto, esta espécie, com os seus 70 cm de altura, é a ave de rapina nocturna de maior porte em todo Mundo.

O bufo-real vive em territórios que protege e marca através das suas poderosas e características vocalizações (um "HOO-o" audível a mais de 5 km), fazendo-se ouvir mais frequentemente durante o Inverno, altura em que se inicia a sua época de reprodução. Estas aves alimentam-se principalmente de coelhos e ratazanas, tendo no entanto um espectro alimentar muito vasto que inclui um grande número de mamíferos carnívoros (por exemplo raposas, gatos e cães) e aves de rapina diurnas e nocturnas. Este papel de superpredador ou predador do topo da cadeia alimentar (só partilhado na Europa, pelo Lobo e a Águia-real), faz com que o bufo-real seja uma espécie muito importante nos ecossistemas onde habita, pois controla o número e densidade de outras espécies de predadores. Além disso, por ser uma espécie sensível às actividades e interferências humanas no meio, o bufo-real é uma espécie-chave do ecossistema onde habita, tendo uma grande relevância como espécie-indicadora da qualidade ecológica dos ecossistemas.

bufo-real no Mundo… e em Portugal

O bufo-real é uma espécie de ampla distribuição ocorrendo na maioria da Eurasia e Norte do Continente Africano. No entanto, esta espécie tem sofrido durante o último século um declíneo acentuado, principalmente devido à acção do Homem, ou seja, pela perseguição directa que lhe é movida por ser tida como uma espécie "destruidora da caça" ou pela rarefacção das suas presas principais e de zonas desabitadas e inóspitas que necessita para sobreviver. Este declíneo tem sido mais evidente nas zonas mais humanizadas, o que se verifica na Europa, onde a área de distribuição desta espécie se encontra bastante fragmentada, sendo muito rara na maior parte das regiões onde ocorre.

Em Portugal o bufo-real apresenta uma área de distribuição descontínua, sendo de crer que as regiões do interior, mais inóspitas e desabitadas, sejam aquelas onde a espécie é mais comum. A nível nacional é classificado pelo Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal, como sendo uma espécie "Rara" e em regressão. No entanto, a sua situação populacional é muito mal conhecida, não existindo no nosso País, até à data, qualquer trabalho científico acerca da ecologia e da distribuição desta rapina, nem estimativas do seu efectivo populacional.

Mais um projecto do GEVT-Grupo de Estudo de Vertebrados Terrestres

Tendo em conta a importância ecológica do bufo-real e o grande desconhecimento científico que o envolve, o GEVT desde 1998 tem vindo a desenvolver um estudo sobre este rapina no Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG). É objectivo deste estudo contribuir para um melhor conhecimento da distribuição do bufo-real na área do PNPG, onde a sua situação é muito mal conhecida. Além disso, a importância deste estudo reside no facto desta rapina nocturna ser considerada uma espécie-indicadora ameaçada e a área de estudo constituir a única área protegida nacional com estatuto de Parque Nacional. Este estudo consiste na definição de áreas de ocorrência da espécie nos últimos anos, estimativa de número de casais e detecção da existência de nidificação.

Por ser uma ave nocturna e esquiva o bufo-real é, apesar das suas dimensões, uma espécie de difícil detecção e observação, sendo consequentemente bastante difícil o seu estudo. Desta forma, a metodologia utilizada consistiu não só nas observações ou detecções por nós efectuadas desta espécie mas também a compilação de observações directas de bufos-reais efectuadas por outros naturalistas, funcionários do PNPG, pastores, caçadores e outros. Até à data foram detectadas 13 áreas de ocorrência de bufo-real no PNPG que poderão corresponder a um número idêntico de casais reprodutores.



Futuro
No futuro, o GEVT pretende desenvolver um estudo ecológico mais aprofundado desta espécie no Baixo Alentejo, área onde o bufo-real ocorre em densidades bastante superiores às encontradas nas montanhas do Norte da Península Ibérica. Este estudo pretende ser bastante mais aprofundado do que o realizado no PNPG, uma vez que focará aspectos da distribuição, densidades, alimentação, reprodução e conservação do bufo-real nesta região alentejana.

Tudo isto é o contributo do GEVT e da AJC para o conhecimento desta ave de rapina espectacular. Conhecimento este imprescindível se queremos definir e aplicar medidas de conservação que contrariem a regressão e perseguição que o bufo-real sofre actualmente. Medidas estas que poderão permitir às gerações vindouras ouvir, numa noite de Inverno e no vale inóspito de um rio algures em Portugal, um dos sons mais belos da natureza: o cantar de um casal de bufos-reais em plena corte nupcial.

In: Jardim Digital
Fotos: Portal ICNB / Aves de Portugal

2 comentários:

  1. Parabéns pelo blog e obrigada por partilhar alguns momentos com poemas e imagens tão sugestivos. Não podia haver melhor poeta que o grande Miguel Torga (falecido Dr Adolfo Rocha que foi médico e viveu na minha cidade mais de 50 anos :-) para enaltecer as paisagens transmontanas! "Tropecei" neste blog ao fazer uma busca no Google pelo Bufo Real :-) Coloquei o link no meu Facebook- espero que não se importe :-) Já agora uma sugestão: caso aprecie Carlos Nuñes, grande músico e compositor da Galiza, adicione à sua música de fundo, porque fica ainda mais perto da essência que tão bem captou. Abraço e continuação de boas caminhadas!

    ResponderExcluir
  2. Ola
    Fico contente por gostar do blogue!
    Vou ter em consideração as suas sugestões.
    Abraço e volte sempre aqui a este cantinho:-)

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget